PH, GH e KH: o que esse monte “Hs” tem a ver com meu aquário? Parte 2

PH, GH e KH: o que esse monte “Hs” tem a ver com meu aquário?

Entenda o que são e como funcionam essas medidas na água do aquário

De acordo com a tabela, podemos também observar que a escala de pH segue uma graduação numérica que vai do número 0 ao14. Assim sendo, um pH próximo do número 0 constitui um pH ácido, ou seja, há uma predominância dos íons de hidrogênio, ao passo que um pH mais próximo da 14 representa uma solução alcalina. Como divisor da escala situa-se o número 7, cuja função é indicar um pH neutro, em que os íons de hidrogênio se encontram em estado de equilíbrio, sendo essa uma solução nem ácida, nem neutra. Por ser baseada numa escala logarítmica de base decimal, podemos constatar que cada ponto na escala determina um pH dez vezes maior/menor do que o ponto anterior/posterior. Exemplificando, um pH de número 8 é dez vezes maior do que um pH de número 7. Existe também o pOH, responsável por determinar a concentração de hidroxilas ([OH-]) na solução. Trata-se de um parâmetro complementar ao pH, baseando-se na equação: pH + pOH = 14. Normalmente, estabeleceu-se como padrão apenas o nível de pH, sendo o pOH utilizado e visto com menor freqüência.
Entretanto, não podemos contar com essa fórmula do logaritmo de base decimal para verificarmos o pH da água de nosso aquário, já que seria algo impossível determinar o número de [H+] presente na água. Para verificarmos o pH de uma solução, existem certas substâncias, ou elementos especiais: os indicadores.
O indicador tem por função, como o nome já diz, indicar o número correspondente da solução na tabela do pH, normalmente através de uma escala colorida, como observamos na tabela acima.
Existem variadas substâncias indicadoras de pH, que podem estar no estado líquido ou não. Em medidores próprios para aquários, o indicador mais utilizado é o Azul de Bromotimol, um líquido de cor azul escura que, quando adicionado a um meio alcalino, permanece inalterado, e quando adicionado a um meio ácido, adquire uma tonalidade amarelada, de acordo com o grau de acidez da substância.
Existe no mercado uma infinidade de marcas de medidores de pH, a grande maioria tendo o Azul de Bromotimol como princípio ativo. A escolha deverá recair sobre os que oferecem uma maior facilidade de visualização do pH e uma maior escala de medição, já que algumas marcas medem um pH máximo de 7.8.
Além da teoria descrita acima, é fundamental detectar e conhecer determinados elementos que alteram o pH da água do aquário, já que a concentração de H+ na água terá papel fundamental no controle osmótico dos organismos que nela vivem. Basicamente, elementos orgânicos (tais como troncos, detritos orgânicos como fezes, cadáveres, etc) tem, pela liberação de amônia, a tendência de declinar o pH, tornando a água ácida, enquanto determinados elementos inorgânicos (como rochas calcárias, dolomita, carbonatos, etc.) têm a capacidade de aumentar esse mesmo pH. Basicamente, podemos corrigir o pH através de
Obter um pH ácido
- Adição de decoração composta de material orgânico (raízes e troncos).
- Adição de CO2 dissolvido na água (seja através da diminuição da oxigenação ou injeção artificial do gás).
- Teoricamente, é mais fácil constituir um pH ácido em aquários plantados, onde contamos com todos os fatores descritos acima como itens necessários à criação do ecossistema do aquário sem prejuízos a estabilidade. Em outras palavras, não injete CO2 na água de seu aquário caso você não mantenha plantas vivas.
Obter um pH alcalino
- Uso de tamponadores específicos, como sais que liberem íons de carbonato, tão utilizados nas montagens de ciclídeos africanos. (Vide itens referentes ao KH, mais adiante)
- Adição de decoração composta de elementos calcários, como pedras de granito, dolomita, mármore, calcário em geral. Em casos extremos (montagem de aquários marinhos e de ciclídeos africanos) até mesmo o uso de conchas, rochas mortas e outros elementos que executam um potente tamponamento.
- Aumento da oxigenação e circulação da água, contribuindo para a dissipação do CO2.
Toda mudança química da água deve ser feita de modo gradativo
Dependendo do pH exigido na montagem, deve-se atentar para esses detalhes na decoração, evitando elementos que acidifiquem a água caso o desejo for um aquário de ambiente alcalino e vice-versa.
A maioria dos peixes ornamentais encontra suas necessidades satisfeitas num pH entre 6.4 e 7.8 (peixes marinhos e ciclídeos africanos dos lagos do rift requerem um pH acima de 8.0, por exemplo). Lembrando que, apesar da aparente pequena diferença de faixa de pH ideal (apenas um ponto), este mesmo ponto significa que uma solução é dez vezes mais ácida ou alcalina que a outra. Procure se informar a respeito do pH ideal da espécie que deseja manter, já que um pH incorreto acarreta desde a um ligeiro stress no peixe, até mesmo a morte do exemplar.

Bruno Galhardi e Johnny Bravo -2004


Melhor se visto em 1024x768

Ezstyle -Bruno Galhardi -2003- 2007

Copyright © 2003-2007 C.M.C.A

Todos os direitos reservados.

Todas as ilustrações e textos desta página são propriedade de seus respectivos autores

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reproduzindo Aulonocaras

Qual o Tamanho ideal do aquário?

O ciclo do Nitrogênio